sábado, 22 de dezembro de 2012

Quem ama...

"Quem ama quer sempre estar perto, não importa o que digam.
Quem ama troca uma noitada por uma noite no sofá com pipoca, filme e a pessoa que ama.
Quem realmente ama faz tudo para que o outro se sinta seguro ao seu lado e principalmente quando separados.
Quem ama, ama as virtudes e mais ainda os defeitos.
Quem ama se completa com a presença do amado."

terça-feira, 20 de abril de 2010

Vida virtual vs. vida real





Que a internet é uma mão na roda e quase indispensável no mundo moderno todo mundo concorda, mas as “facilidades” atribuídas a ela em alguns momentos tem um lado negativo ninguém também pode negar, afinal para a maioria dos jovens, principalmente, quando foi a última vez que se reuniu com sua com sua família num momento de descontração ou até mesmo com seus amigos reais?
Muitas vezes a “vida virtual” de sites de relacionamentos como orkut, facebook, twitter, jogos de realidade virtual (the sims, second life) e tantos outros serve como válvula de escape para um mundo de responsabilidades e stresses, no entanto temos que lembrar que há muito além da tela de um computador, para pessoas tímidas esses sites podem ajudar muito no fato de conhecer novas pessoas, porém também podem afetar a realidade, afastando as pessoas que nos cercam.
Eu particularmente ADORO esse mundinho virtual, cheio de pessoas legais, coloridas, perfeitas, mas tento não me esquecer que a realidade existe e que costuma ser bem diferente, cheia de defeitinhos, também colorida, mas com um toque cinza cheio de charme.

sábado, 27 de março de 2010

Renato Russo (50 anos)


Grande poeta,
compositor único,
músico admiravel,
personalidade forte,
excentrico como só os bons sabem ser,
apenas Renato Russo.



Parabéns, Renato!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Obrigada.


Alguns momentos você para, pensa e analisa... A vida é tudo isso mesmo? Afinal, qual o propósito de estarmos aqui? Sabe, não encontrei a resposta ainda e duvido muito que qualquer outro o tenha feito. Mas cheguei a uma conclusão: para viver é preciso amar, e amar muito, amar pessoas, coisas, lugares e sentimentos. Demorei a entender que amor de verdade é sublime, nos faz bem, amar é ser feliz.
Não tenho toda a experiência do mundo, mas nesses poucos anos que estou nessa caminhada já passei por experiências que me enriqueceram como pessoa, que me fizeram mudar de opinião diversas vezes e que me fizeram ver que nada é imutável. Aprendi que as pessoas abrem mão de quem amam pela felicidade do outro, mesmo que o outro não entenda ou aceite a situação, também aprendi que somos capazes de loucuras quando queremos atenção e nem sempre essa é a melhor forma de conseguir, há quem se doe ao próximo apenas por amor, há também aqueles que amam, mas não sabem demonstrar por mais que tentem, e existem aqueles que demonstram mais do que sentem e depois percebe que não deveria ter feito tanto.
Sei que, nos últimos anos principalmente, aprendi que é preciso sonhar, mas sonhar de olhos aberto e pés no chão, e aprendi com pessoas que eu SEI que me amam. Devo isso aos meus pais, meus avós, meus familiares, meus verdadeiros amigos, até aos meus colegas e aquelas pessoas que foram companhias por apenas uns instantes, aos meus “amores” platônicos e a pessoa que até hoje foi a que eu mais senti necessidade e felicidade ao estar perto (ou longe).
Só tenho a agradecer.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O Poder da Mente Humana

                 A mente humana grava e executa tudo que lhe é enviado, seja através de palavras, pensamentos ou atos, seus ou de terceiros, sejam positivos ou negativos, basta que você os aceite. Essa ação sempre acontecerá, independente se traga ou não resultados positivos para você.
               Um cientista de Phoenix - Arizona - queria provar essa teoria. Precisava de um voluntário que chegasse às últimas conseqüências. Conseguiu um em uma penitenciaria. Era um condenado à morte que seria executado na penitenciária de St Louis no estado de Missouri onde existe pena de morte.. Propôs a ele o seguinte: ele participaria de uma experiência científica, na qual seria feito um pequeno corte em seu pulso, o suficiente para gotejar o seu sangue até a ultima gota final. Ele teria uma chance de sobreviver, caso o sangue coagulasse. Se isso acontecesse, ele seria libertado, caso contrário, ele iria falecer pela perda do sangue, porém, teria uma morte sem sofrimento e sem dor.
                 O condenado aceitou, pois era preferível do que morrer na cadeira elétrica e ainda teria uma chance de sobreviver. O condenado foi colocado em uma cama alta, dessas de hospitais e amarraram o seu corpo para que não se movesse. Fizeram um pequeno corte em seu pulso. Abaixo do pulso, foi colocado uma pequena vasilha de alumínio. Foi dito a ele que ouviria o gotejar de seu sangue na vasilha. O corte foi superficial e não atingiu nenhuma artéria ou veia, mas foi o suficiente para ele sentisse que seu pulso fora cortado. Sem que ele soubesse, debaixo da cama tinha um frasco de soro com uma pequena válvula. Ao cortarem o pulso, abriram a válvula do frasco para que ele acred itasse que era o sangue dele que está caindo na vasilha de alumínio. Na verdade, era o soro do frasco que gotejava. De 10 em 10 minutos, o cientista, sem que o condenado visse, fechava um pouco a válvula do frasco e o condenado pensava que era seu sangue que estava diminuindo. Com o passar do tempo, foi perdendo a cor e ficando fraco. Quando os cientistas fecharam por completo a válvula, o condenado teve uma parada cardíaca e faleceu, sem ter perdido sequer uma gota de sangue.
              O cientista conseguiu provar que a mente humana cumpre, ao pé-da-letra, tudo que lhe é enviado e aceito pelo seu hospedeiro, seja positivo ou negativo e que a morte pode ser orgânica ou psíquica. Essa história é um alerta para filtramos o que enviamos para nossa mente, pois ela não distingue o real da fantasia, o certo do errado, simplesmente grava e cumpre o que lhe é enviado.
"Quem pensa em fracassar, já fracassou mesmo antes de tentar".
(Revista "Super Interessante" de Julho 2002)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Amor incondicional?

Desisti de entender como as pessoas que dizem que amam incondicionalmente põem condições para amar; isso é muito contraditório para minha mente limitada. Criticam o estilo vida escolhido pelo “amado” e pior dizem que fazem isso para o “bem e felicidade”, caramba se quer tanto a felicidade do outro deixe viver como quer, com suas escolhas, suas vontades; ora essa. E compreendo ainda menos quando essas “condições” não coincidem com a conduta dos que “amam”, aquela velha historia ‘faça o que digo não o que faço’, se é que me entendem.

Hipocrisias a parte acredito que amor incondicional não existe, afinal toda relação é troca de interesses, sempre se espera algo em troca do outro, seja meramente material, financeiro, sexual ou amoroso, mas há expectativas SEMPRE. Em um casal há trocas amorosas, sexuais, financeiras (querendo ou não há) e psicológicas, afinal quem agüenta um relacionamento do gênero sem que o outro entenda ou ao menos ouça aquilo que pensamos, sentimos e desejamos? Agora vão me falar em amor entre pais e filhos que esse é o amor mais puro e que não há interesse, como não? É claro que há, as pessoas tem filhos para “completar” um amor, para ter “seqüência” genética, para realizar sonhos frustrados, entre outros motivos egoístas, não venha me dizer que não, porque é sim; quanto aos filhos, bem esses não pediram para nascer, mas desde o momento que são cuidados (ou não) aprendem o sentido de troca, criança alguma gosta de quem não a trata bem, e isso é troca! E assim por diante...

“Você me quer Incondicionalmente? Ou me quer mais Um pouco diferente?”

domingo, 11 de outubro de 2009

Eu tentei, juro que tentei.

Engraçado, todo mundo sabe, se ainda não um dia vai saber, que não é fácil esquecer quem se ama, embora quando alguém nos ama e não somos capazes de retribuir tal sentimento apenas pedimos “me esqueça” e nos esquecemos dos nossos amores não correspondidos e inesquecíveis. Hoje ouvi “me esquece, procura um cara descente”... está bem, um cara descente eu ainda posso achar, é difícil, mas não impossível, mas esquecer? Complicado viu, posso no máximo colocar em segundo plano, porque amor não se esquece, muda de cor, apenas. E sinceramente? Eu já tentei, não uma, nem duas, nem três, mas diversas vezes, juro que tentei ao menos amar outro alguém para pelo menos dividir o coração em dois e a angustia, é angustia mesmo, ficar pela metade, mas nem isso eu consegui AINDA. Agora? É bola pra frente e esperança num futuro de amor recíproco e paz no coração.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O que desqualifica uma mulher...

Bem, pra começar, desapareci mesmo, é que estava sem muita inspiração e ânimo pra isso aqui. Esse é um texto que recebi de um amigo, achei muito interessante, bem escrito e concordo em praticamente tudo!

Minha vida sexual não me desqualifica

Eu sempre falo que castidade é bobagem e moralismo é burrice, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser burra e alienada.

Eu já transei com rapazes que eu acabei de conhecer, mas vi que eram legais, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ficar com cafajestes e dar uma de santa desprezando os homens que prestam.

Eu nunca fui prostituta, eu transo com vários por prazer mesmo, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela se separar metendo a mão no patrimônio do marido e ainda jogar os filhos contra o pai ganhando pensão dele.

Eu já desvirginei rapazes que tinham namoradas que amarrava sexo até o casamento, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela engravidar pra prender um homem ou ganhar pensão.

Eu já transei com colegas de escola, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser beata pra esconder um passado de sacanear os outros e rodar na mão de endinheirados e cafajestes.

Eu tenho vários amigos homens que transam comigo e todos eles gostam de mim pelo que eu sou e pelo sexo, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ter um marido que só está com ela por causa dos filhos.

Eu nunca transei com chefe, mas já transei com colegas de trabalho, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela subir na carreira abrindo as pernas.

Eu sempre tenho camisinha na bolsa, e às vezes um creme pra fazer sexo anal, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser frustrada porque não teve coragem de ter uma vida que preste.

Eu evito doença e gravidez, mas não evito sexo pra isso, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ter inveja de outra que curte a vida e o sexo melhor que ela.

Eu gosto de transar com dois ou três ao mesmo tempo, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser mal-humorada por falta de sexo.

Eu transei com vários homens sem ter namorado nenhum deles, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela engravidar de um homem e dizer pra outro que o filho é dele.

Eu já transei com homens casados, não porque eram casados, mas porque eu gostava deles, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela fazer greve de sexo pra atingir o marido.

Dizem que eu sou muito bonita e atraente, mas eu não dou uma de gostosona quando um gatinho chega junto, e se eu vir que vale a pena eu dou pra ele sem frescura, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela achar que ser mulher bonita e ter um corpo bonito dá o direito de ela ter o defeito que quiser.

Eu já transei com homens mais velhos de quem eu gostava pelo que eles eram, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser maria-gasolina.

Eu vejo muita coisa boa e produtiva na internet, e também estou num grupo de foto de homem pelado, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela cuidar muito do cabelo e pouco do que tem na cabeça.

Eu tomo a iniciativa de me aproximar de um homem que me dá tesão, e se eu vejo que vale a pena eu mesma agarro, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser intratável, histérica, implicante.

Eu já assisti filme pornô com amigos homens, a primeira vez com 15 anos, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela tratar mal quem a trata bem.

Eu sou sexualmente liberada e falo de cara, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela ser falsa, hipócrita, dissimulada, manipuladora.

Eu perdi minha virgindade aos 14 anos com dois rapazes, e isso não me desqualifica. O que desqualifica uma mulher é ela achar que o valor e o caráter de uma mulher têm a ver com ela gostar de sexo.

(Abigail Pereira Aranha)

Texto retirado da comunidade "Mensagem Subliminar" no orkut.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Chega!

“Cansei, cansei de sofrer...” Quantas vezes eu já não disse isso? Diversas vezes, mas é tão fácil falar que vou esquecer, que não vou dar mais valor a quem não merece, que só vou amar quem me ama, é fácil dizer tudo isso. Mas na hora do vamos ver, do vamos fazer acontecer, ah, não tem jeito, sofro, me machuco, luto, mas até agora nada, não consegui mudar o que sinto. Queria eu que fosse tão fácil deixar de amar alguém, aquele alguém.

Muitos dos meus amigos já não têm mais paciência pra ouvir minhas lamurias, minhas maldições e pragas rogadas pra você, minhas promessas que tirarei você da minha vida. Até eu já cansei de me pegar pensando em você, não agüento mais! E você? Ah, você está ai levando sua vidinha medíocre sem nem se importar com o que se passa comigo, porque sabe que quando precisar a boboca aqui vai estar pronta pra te ouvir e atender seus caprichos, por mais que isso vá contra meus princípios e fira meu amor próprio, afinal eu sempre estive a sua espera, a espera de um pouco de atenção e carinho.

Tantos anos, sim anos, sofrendo desse jeito, isso não pode ser amor; como dizia o grande Manfredini “se o amor é verdadeiro não há sofrimento” e é só isso que tenho recebido, sofrimento, desdém e indiferença. No entanto, ainda tenho esperança que um dia eu vá rir de tudo isso, aprenderei a dar valor aos meus sentimentos, aprenderei a te tratar de igual pra igual, e quando você me procurar pra curar seus ferimentos e anseios eu simplesmente não estarei aqui e direi que agora quem não quer sou eu. E sinceramente espero que esse dia não tarde a chegar.

“como eu odeio amar você.”

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Nhéc, voltando...

Vamos ao que importa:

1º. Esse lance de que jornalista não precisa mais de diploma, acho um tremendo absurdo e desrespeito com a classe. Daqui a pouco vão fazer o mesmo com engenheiros, médicos, professores e todo o resto.

2º. A morte de Michael Jackson, caramba, está certo, ele foi um ótimo artista, revolucionou o mundo da música, teve uma vida conturbada, filhos que não são dele [ou vai me dizer que você realmente acredita que aqueles lá são filhos biológicos?] e tudo mais, mas pelamor. Já basta, deixa o cara morrer em paz. Quando são crianças lá na África que morrem de fome, falta de assistência e tudo mais que a miséria acarreta ninguém faz esse alarde.

3º. São João foi ótimo, tanta gente reclamando porque foram vetadas essas bandas [não aquilo não são bandas pra mim] de forró estilizado [leia-se lixo cultural], mas sinceramente, esse foi o melhor São João em anos luz em Caruaru. Música boa é música boa e não precisa de rótulos mal-formulados.

4º. Tem o afastamento Sarney lá, mas nem gosto nem entendo de política então pula essa.

5ª. Falta menos de um mês pra minhas aulas na faculdade começarem, estou super ansiosa. *___*

Por enquanto é só. J

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Hoje é dia dos namorados, viva!!!

Dia em que os apaixonados demonstram seu amor, que os namorados mandam flores e levam suas namoradas para jantar fora, dia de trocar presentes e dar beijos apaixonados... mas espera aí, tudo isso não deveria ter data, dia e hora marcados, afinal o amor não tem momento certo pra acontecer e ser demonstrado. O amor pode ser o aqui e o agora como também pode ser o amanhã ou o daqui a 50 anos.

Quem ama de verdade não precisa de datas pra mostrar o quanto ama. É o dia-a-dia que transparece isso, é cada gesto de carinho, cada ligação só pra dizer “bom dia” ou “boa noite”, é cada “eu te amo” no meio de discussões, é o ficar abraçado com quem se gosta sem falar nada, sem esperar nada, só sentindo o calor um do outro...

Independente de datas, todo dia é dia dos enamorados.

Mas, se você não tem um amor pra chamar de seu [assim como eu] tudo bem, um dia encontraremos o maior e melhor ;) e quando ele acontecer saberemos como cuidar e demonstrar da melhor forma e as datas não serão tão importantes.

_______________

Como surgiu o dia dos namorados...

O padre Valentim lutou contra as ordens do imperador Cláudio II, que havia proibido o casamento durante as guerras acreditando que os solteiros eram melhores combatentes. Além de continuar celebrando casamentos, ele casou-se secretamente, apesar da proibição do imperador. Tendo se recusado a renunciar ao Cristianismo, Valentim foi condenado à morte. Enquanto aguardava na prisão o cumprimento da sua sentença, ele se apaixonou pela filha cega de um carcereiro e, milagrosamente, devolveu-lhe a visão. Antes de partir, Valentim escreveu uma mensagem de adeus para ela, na qual assinava como “Seu Namorado”.

Considerado mártir pela Igreja Católica, a data de sua morte - 14 de fevereiro - também marca a véspera de lupercais, festas anuais celebradas na Roma antiga em honra de Juno (deusa da mulher e do matrimônio) e de Pã (deus da natureza). Um dos rituais desse festival era a passeata da fertilidade, em que os sacerdotes caminhavam pela cidade batendo em todas as mulheres com correias de couro de cabra para assegurar a fecundidade.

Outra versão diz que no século XVII, ingleses e franceses passaram a celebrar o Dia de São Valentim como a união do Dia dos Namorados. A data foi adotada um século depois nos Estados Unidos, tornando-se o Valantine´s Day. E na Idade Média, dizia-se que o dia 14 de fevereiro era o primeiro dia de acasalamento dos pássaros. Por isso, os namorados da Idade Média usavam esta ocasião para deixar mensagens de amor na soleira da porta da amada.

No Brasil, é comemorado em 12 de junho a partir de 1949, quando o publicitário João Dória trouxe a idéia do exterior e a apresentou aos comerciantes. Como junho é um mês de vendas baixas, eles decidiram comemorar a data nesse mês e ainda escolheram a véspera de Santo Antônio, o santo casamenteiro como o Dia dos Namorados.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Viva, demonstre.

Tem dias que nós acordamos com uma vontade doida de chegar às pessoas, abraça-las e dizer o quão especiais elas são, mas por algum motivo não o fazemos, às vezes elas estão bem ali na nossa frente, nós temos a maior e melhor oportunidade, mas não demonstramos nosso amor. É então que perdemos, mais uma vez, a chance de abrirmos o coração, e as pessoas se vão, vão para longe, longe do alcance da nossa voz e quando finalmente temos coragem de falar / demonstrar nossos sentimentos é muito tarde e ficamos remoendo, pensando naquilo que não foi, mas poderia ter sido.

É tão triste quando carregamos um sentimento de arrependimento por NÃO termos feito algo, ficamos sempre na duvida se não teria sido melhor ter feito. E pode ter certeza, quando se trata de demonstração de carinho sempre é melhor ter feito que guardar para si os sentimentos, mesmo que não seja recíproco, você ao menos fez a sua parte. Você amou, você gostou, você curtiu, você sentiu, você arriscou, você VIVEU!

Não deixe a grande chance da sua vida passar, nem sempre ela volta a bater na sua porta.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Por quê?

Por que, afinal, eu tenho que ser / agir como todo mundo?

Se fosse assim não seria eu, e se todos fossem realmente iguais seria tudo muito chato.

Não é porque todo mundo pensa uma coisa eu deva pensar aquilo também, não é porque estudei em colégio católico eu deva ser católica [ou ao menos cristã], não é porque sou mulher eu deva ter filhos, não é porque sempre fui cercada por machistas eu deva ser também, não é porque a sociedade diz para eu me vestir de um jeito que eu deva deixar de usar aquilo que gosto [mesmo que seja brega, cafona, sem noção e afins] não é porque rotulam eu deva deixar de ser o que quero ser!

Droga! Isso cansa.

Deixa eu viver minha vida em paz, cacete!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Falemos de filhos...

Nos últimos tempos noticias envolvendo maus-tratos a crianças têm tomado bastante espaço nos meios de comunicação, estupro por parte de familiares, vizinhos, pessoas próximas enfim, negligencia e descuido por parte dos pais, são tantas atrocidades que se fosse listar passaria o resto da vida escrevendo.

Mas mesmo com tudo isso, continuo vendo pessoas e mais pessoas sem condições psicológicas (nem falo econômica porque já virou clichê) se reproduzindo, colocando crianças no mundo para sofrer, às vezes, na maioria dos casos pra dizer a verdade, a gravidez nem foi planejada nem os ditos pais se preveniram, e não adianta dizer que foi acidente, porque há diversos meios contraceptivos de fácil acesso. E o pior de tudo isso é que a maior parte desses irresponsáveis acéfalos, sim acéfalos, são adolescentes / jovens, que fazem a burrada de por um filho no mundo e pensam que tudo será fácil e quando se deparam com a realidade querem descontar nos pequenos.

Engraçado que quando digo que deveria haver controle de natalidade ou legalização do aborto no país, me chamam de radical, louca, mas afinal loucura maior é crianças inocentes e que não pediram para nascer sofrendo.

________

Falar em loucura, outro dia eu estava numa fila, acho que no banco, e uma senhora puxou assunto comigo e a certa altura, comentei que não pretendia ter filhos, ela ficou indignada, disse que os jovens de hoje querem viver na terra do nunca, história de Peter Pan pra que não lembra, que não queríamos amadurecer, e um dia quando eu me apaixonar e me casar eu ia querer dar filhos ao meu marido em sinal do meu amor, só faltou me chamar de louca mesmo. Então quer dizer que filho é sinônimo de maturidade, e paixão é movida a filhos? Eu simplesmente olhei para e ela e disse que talvez eu mudasse de opinião mais tarde, duvido muito, porém, para mim, maturidade é saber respeitar as convicções alheias, e paixão é algo que cresce quando não se espera nada em troca e que não precisa dar “sinais” apenas se sente / sabe. Quando terminei de falar a minha senha foi chamada e eu sai sem dar tempo para ela retrucar, mas confesso que fiquei curiosa para saber qual seria mais argumentos que ela usaria para me “converter” a reprodução.

Espalhe

Share |